Petrobras estuda com Equinor meios para escoar o gás de Pão de Açúcar

Petrobras estuda com Equinor meios para escoar o gás de Pão de Açúcar

Reuters  | 25.10.2019 12:59

Petrobras estuda com Equinor meios para escoar o gás de Pão de Açúcar

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Acordo recente firmado entre Petrobras (SA:PETR4) e Equinor terá como um dos focos projetos de infraestrutura para o escoamento do gás da importante descoberta de Pão de Açúcar, na Bacia de Campos, afirmou nesta sexta-feira a diretora-executiva de Refino e Gás Natural, Anelise Lara.

O memorando de entendimentos (MOU) foi anunciado neste mês para o desenvolvimento de negócios no setor de gás, incluindo projetos de geração termelétrica e estudos de viabilidade sobre ativos de processamento do produto e escoamento de líquidos em unidades no Rio de Janeiro.

"Pão de Açúcar é uma área em que a gente é parceiro da Equinor, área bastante relevante para a produção de gás, e o MOU assinado foca nessa questão", afirmou Lara, ao participar de teleconferência com analistas e investidores sobre os resultados da companhia no terceiro trimestre de 2019.

A norueguesa Equinor é operadora do BM-C-33, onde está Pão de Açúcar, em parceria com a espanhola Repsol (MC:REP) (35%) e a Petrobras (30%).

Em entrevista à Reuters nesta semana, a presidente da Equinor no Brasil, Margareth Øvrum, disse que a empresa estudava infraestrutura para a importante descoberta.

Lara ressaltou ainda que "certamente as três rotas" de escoamento de gás natural que o Brasil tem --uma delas ainda em construção-- "não serão suficientes" para atender novos ativos que entrarão em operação e que a empresa vê a ampliação dessa capacidade em parceria com outras empresas.

Além das atuais parceiras da Petrobras em projetos já em produção, como Shell, Repsol, Galp, a empresa tem novos projetos em desenvolvimento com outras grandes petroleiras internacionais, como BP, Equinor, Exxon e Total, ressaltou Lara.

"O desenvolvimento de nova infraestrutura vai passar por um compartilhamento de investimentos também", frisou, apontando que há regiões "muito prolíficas para o gás" no pré-sal, tanto no sul da Bacia de Santos, quando no Sul da Bacia de Campos.

O governo federal lançou neste ano um programa chamado Novo Mercado de Gás, que visa aumentar o aproveitamento desse insumo, que atualmente é amplamente reinjetado nos poços para impulsionar a produção de petróleo. Com o plano, o governo quer reduzir os preços e fomentar a economia brasileira.

A executiva reiterou ainda a estratégia definida pela empresa para o aproveitamento do abundante gás do pré-sal, que buscará a ampliação do parque térmico.

"A gente tem hoje a possibilidade de participar de leilões... de energia nova", disse Lara.

As ações da Petrobras subiam mais de 4% no início da tarde, para 29,49 reais, nas máximas do ano, após a empresa reportar na véspera lucro líquido de 9,09 bilhões de reais no terceiro trimestre, alta de 36,8% ante o mesmo período do ano passado, apesar de uma queda nos preços do petróleo.

CUSTO DE EXTRAÇÃO

Em meio ao importante desenvolvimento do pré-sal, o diretor-executivo de Exploração e Produção, Carlos Alberto Pereira, afirmou que o custo de extração na importante região no quarto trimestre deverá ficar entre 5 e 6 dólares por barril de óleo equivalente (boe).

O indicador no pré-sal atingiu os 5 dólares no terceiro trimestre, contra 6 dólares no segundo, diante de um aumento importante da produção, que atingiu recorde mensal de 2,3 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boe/d) em setembro e recorde diário de 2,5 boe/d em 7 de setembro --os volumes incluem extração da empresa e parceiros.

Um custo levemente mais alto, segundo Pereira, poderá ocorrer nos três últimos meses do ano devido a intervenções necessárias em poços do pré-sal, mas ele não ofereceu detalhes.

© Reuters. Edifício-sede da Petrobras no centro do Rio de Janeiro

Por outro lado, o executivo ressaltou que está prevista a entrada em operação da plataforma P-68, em Berbigão, ainda neste ano. A unidade está em fase final de ancoragem.

O executivo destacou que todos os poços que entrarão em produção neste ano já estão prontos, construídos e completados.

"Nesse terceiro trimestre, colocamos em produção mais nove poços produtores e temos a previsão de mais sete poços produtores até o fim do ano", declarou.

Relacionadas

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Chico Chicao
Chico Chicao

Lembro como se fosse hoje, certas línguas ditas verde- amarelas, a afirmarem os desafios da exploração, a fronteira tecnológica, os riscos, a inviabilidade e a cara extração do óleo... aí está a prova que a mudança para o regime de partilha foi importante para a garantia de mais recursos para o Brasil! Viva a Petrobras que descobriu e desenvolveu tecnologia... e é do Povo Brasileiro!  ... (Leia Mais)

26.10.2019 01:11 GMT· Responder
Cláudio Müller
Cláudio Müller

Custo de extração de U$5, é incrível. Parabéns Petrobrás.  ... (Leia Mais)

25.10.2019 20:38 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+