Privatização da Eletrobras terá apoio da Aneel, diz diretor-geral

Privatização da Eletrobras terá apoio da Aneel, diz diretor-geral

Reuters  | 10.10.2019 13:35

Privatização da Eletrobras terá apoio da Aneel, diz diretor-geral

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - Os planos do governo do presidente Jair Bolsonaro de levar a cabo a privatização da estatal Eletrobras (SA:ELET3) terão apoio da atual gestão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), disse à Reuters o diretor-geral da autarquia, André Pepitone.

A proposta em discussão para a desestatização envolve uma mudança nos termos dos contratos de hidrelétricas operadas pela companhia, que sairiam de um modelo de tarifas reguladas, conhecido como "regime de cotas", o que também não enfrentará oposição do órgão regulador.

"A agência apoia essa ideia, a gente apoia a 'descotização'. Apesar de no passado ter havido uma manifestação formal da Aneel questionando, sob essa nova gestão a Aneel apoia a privatização da Eletrobras, apoia a descotização", disse Pepitone em entrevista.

Pepitone, que assumiu o comando do regulador no ano passado, após indicação do presidente Michel Temer, fez referência a ofício assinado em 2017 pelo ex-diretor-geral da agência, Romeu Rufino, que na ocasião criticou a proposta de acabar com o regime de cotas na venda da produção das hidrelétricas da Eletrobras.

Essas usinas da estatal, que são antigas, tiveram os contratos de concessão renovados em 2013 sob um novo modelo de operação, pelo qual vendem energia a tarifas definidas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), bem abaixo dos preços de mercado.

O regime de cotas foi criado pela então presidente Dilma Rousseff em meio a medidas para reduzir as tarifas de energia, sob justificativa de que essas hidrelétricas antigas já tiveram seus investimentos amortizados ao longo do tempo.

Pela proposta de desestatização hoje em estudo, o governo cobraria da Eletrobras um bônus de outorga bilionário em troca de novos contratos pelos quais a companhia poderia vender a energia dessas usinas hídricas a preços livres.

A ideia, que vem sendo discutida desde a gestão Michel Temer, sofreu críticas na gestão anterior da Aneel, quando o ex-diretor-geral Rufino disse que o fim do regime de cotas teria "efeito perverso sobre o custo de energia".

O novo chefe da agência, no entanto, disse que tem mantido conversas com o governo para encontrar meios de permitir a mudança nos contratos sem que isso represente impacto negativo para os consumidores.

"A descotização tem que ser feita de maneira equilibrada para que não gere impacto na tarifa, a gente tem que fazer os cálculos e encontrar uma maneira. Estamos discutindo", afirmou Pepitone.

Ele disse ainda que defendeu junto ao presidente Bolsonaro que seu mandato na agência irá priorizar "a aritmética, e não a ideologia".

O governo tem defendido que, apesar das tarifas mais baixas do regime de cotas, o modelo transfere para os consumidores custos extras quando as usinas geram menos energia que o devido por questões hidrológicas, o que tem acontecido nos últimos anos e aumentado custos ao invés de reduzi-los.

OFERTA SUPERESTIMADA

O diretor-geral da Aneel ainda defendeu proposta do Ministério de Minas e Energia de realizar entre 2020 e 2021 uma revisão extraordinária da chamada "garantia física" de usinas geradoras do país --número que representa na prática o volume de energia que cada uma delas pode vender no mercado elétrico.

A proposta do governo vem em meio ao diagnóstico de que principalmente hidrelétricas têm produzido sistematicamente abaixo da garantia, que em tese deve representar a geração que cada usina poderia entregar mesmo em anos críticos de chuvas.

© Reuters. (Blank Headline Received)

"No Nordeste, por exemplo, está muito claro que a garantia física está superestimada. A discrepância entre a garantia e o que se está gerando é muito grande, então precisa-se, sim (fazer a revisão), é uma agenda acertada do ministério", disse Pepitone.

"É uma energia de papel", definiu ele.

Pepitone ressaltou, no entanto, que o processo precisa ser conduzido com cuidado para evitar impactos sobre as tarifas de energia dos consumidores.

Relacionadas

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+