Libra: Moeda do Facebook Esbarra em Mesmos Problemas de Outras Criptos

Libra: Moeda do Facebook Esbarra em Mesmos Problemas de Outras Criptos

Rodrigo Lima  | 24.06.2019 12:13

Se você é um habitante do planeta Terra como eu, você provavelmente ouviu falar do lançamento do whitepaper da Libra, a criptomoeda do Facebook, que ocorreu no dia 18 deste mês. Salvo raras exceções, a mídia não especializada em criptomoedas noticiou o fato como uma grande revolução para o setor, mas a realidade é um pouco mais complexa.

Não é que a última empreitada de Mark Zuckerberg não seja ambiciosa, muito pelo contrário: desde a Telegram Open Network (TON) não há um projeto corporativo tão promissor. A grande questão é que todos os projetos de criptomoedas são por definição ambiciosos. O Bitcoin, por exemplo, surgiu com a intenção de criar um dinheiro descentralizado e deflacionário, funcionando como reserva de valor e meio de pagamento resistente à censura, promessas que vem cumprindo com consistência.

A Libra pretende ser uma criptomoeda de baixa volatilidade, com alta capacidade de processamento (1.000 transações por segundo), baixos custos de transações, além de prometer ser uma moeda descentralizada. Analisaremos a seguir como a Libra pretende resolver a cada uma dessas questões.

Desde seu princípio o discurso de venda das criptomoedas passou pela salvação para os underbanked, pessoas que por situações de extrema pobreza ou por enfrentarem sanções legais, não têm contas correntes. O grande problema é que criptomoedas são extremamente voláteis e, estando em situações de extrema fragilidade financeira, os underbankeds não podem se dar ao luxo de perder sequer um centavo.

Para solucionar esse problema a Libra será uma stablecoin (criptomoeda pareada com outros ativos financeiros) 100% lastreada em uma cesta de moedas e ativos seguros e de alta liquidez, como títulos de tesouros e certificados de depósitos bancários, ambos de governos e instituições financeiramente responsáveis. Dessa forma, espera-se que a Libra flutue no mercado internacional com baixa volatilidade, sendo robusta a oscilações unilaterais dos ativos que a lastreiam.

Para garantir a velocidade da rede, as transações da Libra serão validadas por nós independentes em um sistema muito similar ao proof of stake. Quem desejar se tornar um master node validando transações deverá investir ao menos 10 milhões de dólares, sendo recompensado com o rendimento dos juros dos ativos que lastreiam a Libra e com as taxas de transação.

Sendo um sistema de proof of stake, é de se esperar que encontrem a mesma dificuldade em conseguir ganhos de escala que moedas como o Ethereum e o Tron enfrentam, em que o ganho de escala costuma acompanhar centralização da rede: o whitepaper não menciona nenhum modelo de solução para a questão. Da mesma forma, apesar de afirmar que as taxas de transação serão baixas, o whitepaper não mostra como elas serão calculadas, apenas mencionando brevemente que irão se assimilar ao gas do Ethereum.

Ainda sobre descentralização, não é claro como a rede poderia se tornar descentralizada: mesmo que master nodes fossem atomizados de maneira razoavelmente igualitária ao redor do globo, ainda seria necessária a centralização para custodiar os ativos que compõem as reservas da Libra. Dessa forma, a Libra não resolve o trilema fundamental das criptomoedas: entre segurança, escalabilidade e descentralização, é possível escolher somente dois.

Sejamos caridosos porém: suponhamos que a Libra consiga resolver todas as questões tecnológicas, ainda restaria uma grande questão a ser solucionada, a regulamentação. Por um lado o Facebook conta com 2,3 bilhões de usuários, que seriam potenciais usuários da Libra. Uma demanda como essa poderia ser útil a muitos governos, uma vez que facilitaria o financiamento de bancos centrais ao redor do mundo: basta comparar a cifra acima com o número de CPFs cadastrados no Tesouro Direto, pouco superior a três milhões.

Por outro lado, o sucesso da Libra poderia ameaçar a soberania de diversas moedas nacionais, suplantando moedas fracas de países como meio de pagamento e causando massivas evasões de divisas. Não à toa o anúncio da Libra causou concernimento a diversos órgãos reguladores: Jerome Powell, presidente do Fed afirmou que “Há benefícios, porém também há riscos a serem monitorados”, enquanto que o ministro da economia francesa solicitou a formação de uma força-tarefa do G7 para averiguar a viabilidade do projeto sob um ponto de vista regulatório.

No frigir dos ovos, apesar de todo o marketing revolucionário e apoio de grandes players corporativos como PayPal, Visa e Mastercard, a Libra ainda enfrenta os mesmos desafios que todas outras criptomoedas, sem resposta clara sobre como solucioná-los. De qualquer maneira, o lançamento de um projeto como esse traz credibilidade para todo o mercado de criptomoedas, mais uma vez sob os holofotes da mídia.

E o que isso pode significar para o preço do Bitcoin? O lançamento da Libra em 2020 pode facilitar o acesso a criptomoedas, com corretoras negociando o par Libra/BTC, o que impulsionaria as cotações. Mas e se a libra superar o Bitcoin como meio de pagamento?

Particularmente não vejo nenhuma ameaça: a verdade é que o Bitcoin ainda engatinha como meio de pagamento e, diferente da Libra, o Bitcoin é escasso, tendo papel fundamental como reserva de valor. Na economia sempre houve discussões sobre o valor de bens que não pudessem ser utilizados como meio de pagamento: em 1971, quando o presidente Richard Nixon resolve acabar com o tratado de Bretton Woods, que fixava o preço da onça-troy de ouro a 35 dólares, o prêmio Nobel de economia Milton Friedman afirmou que o preço do ouro iria despencar, pois não teria mais nenhuma utilidade como ativo financeiro. De lá para cá, a onça do ouro nunca mais retornou a abaixo de 35 dólares. Não vejo porque não deveríamos esperar o mesmo para o Bitcoin.

Rodrigo Lima

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Jordann
Jordann

incautos. Enquanto temos excelente ativos em ações fiis tesouro cambio etc.. milhões de brasileiros se aventuram e alimentam a maior pirâmide financeira da história: "bitcoin" . O final dessa história é previsível e trágico.  ... (Leia Mais)

25.06.2019 16:36 GMT· 3 · Responder
Altamir Rocha
Altamir Rocha

meu receio é que a Libra se torne a moeda única num futuro próximo...  ... (Leia Mais)

24.06.2019 21:42 GMT· Responder
Altamir Rocha
Altamir Rocha

meu receio é que a Libra se torne a moeda única num futuro próximo...  ... (Leia Mais)

24.06.2019 21:42 GMT· Responder
Claudio Junior
Claudio Junior

excelente texto, estou a espera dos efeitos que a Libra irá causar ao mercado  ... (Leia Mais)

24.06.2019 21:27 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o App

Mais informações sobre o mercado, mais alertas, mais opções de personalizar seus ativos em sua carteira, apenas pelo App

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.