Mercado Evita Estresse na Sexta-Feira

Mercado Evita Estresse na Sexta-Feira

Olivia Bulla  | 23.10.2020 08:46

Com menos de duas semanas para o dia da eleição nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump e o ex-vice-presidente Joe Biden protagonizaram um debate civilizado, após um primeiro confronto estridente, mas que talvez não mude o rumo da disputa pela Casa Branca. Wall Street continua apostando em uma vitória do democrata e mantém o otimismo em relação a um novo pacote fiscal, ainda que depois do pleito.

Aqui, o mercado doméstico vive um trégua, mas as incertezas em torna das pautas econômicas em Brasília geram volatilidade. As tensões envolvendo os riscos fiscais e os ruídos políticos ainda deixam pouco espaço para melhora dos ativos locais no curto prazo, com as dificuldades de rolagem da dívida pública e o adiamento de votações importantes no Congresso pesando nos negócios. E, sim, a politização da vacina também chama atenção.    

Lá fora, Trump e Biden se atacaram por causa do coronavírus, do mercado de ações e da economia norte-americana. Houve troca de farpas e acusações pessoais, mas o republicano baixou o tom, enquanto o democrata se mostrou mais desafiador. O desempenho do candidato à reeleição não parece ter sido suficiente para desestabilizar o adversário, o que também acabou equilibrando a sinalização para o dia em Nova York.

Os índices futuros apagaram as perdas exibidas mais cedo e amanheceram em alta, indicando um dia positivo, mas que deve ser insuficiente para impedir que o S&P registre o pior desempenho semanal do mês. Os investidores estão bem sintonizados com os acontecimentos em Washington e veem um aperto de mãos entre a Câmara, o Senado e o Tesouro dos EUA por estímulos fiscais de quase US$ 2 trilhões para breve. 

Na Europa, as bolsas relegam o noticiário negativo na região e exibem ganhos de mais de 1%, liderados pelas ações de montadoras e bancos. O comportamento se dá a despeito da queda da atividade nos setores industrial e de serviços na zona do euro para o menor nível em quatro meses, voltando à contração. A prévia de outubro do índice dos gerentes de compras (PMI) composto caiu a 49,4, ante previsão de 49,5 e de 50,4 em setembro.

O retorno das restrições aos negócios e à circulação de pessoas por causa do aumento de casos de covid-19 em vários países europeus pesou no indicador, com o PMI de serviços recuando a 46,2, de 48, enquanto o PMI industrial subiu a 54,4, de 53,7. Aliás, a França estendeu o toque de recolher noturno imposto no país para outras 38 regiões, dizendo que “a segunda onda está aqui”. A medida deve durar seis semanas. 

Já na Ásia, o desempenho dos mercados seguiu misto, com queda firme em Xangai (-1%), mas ganhos moderados em Hong Kong (+0,5%) e em Tóquio (+0,2%). Os investidores continuam narrando uma história de duas economias, com a demanda global reprimida prejudicando as exportações na China e no Japão, ao passo que o mercado consumidor chinês tem estimulado os serviços e os pedidos aos parceiros comerciais.

Nos demais mercados, o juro projetado pelo título norte-americano de 10 anos (T-note) está estável na faixa de 0,85%, no maior nível desde junho, o que reduz o ímpeto do dólar, que perde terreno de forma generalizada para as moedas rivais, mas não impulsiona o petróleo, cujo preço do barril segue incrustado em US$ 40. A ver como esse desempenho externo influencia o câmbio local e o Ibovespa, que ontem subiu pelo quarto pregão. 

 

Enfim, agenda cheia

A semana chega ao fim com a agenda econômica, enfim, ganhando força. No Brasil, o destaque fica com a prévia deste mês do índice oficial de preços ao consumidor (IPCA-15), que deve acelerar para 0,8%, na maior taxa para outubro desde 2002. Com isso a alta acumulada em 12 meses tende a seguir dentro do intervalo de tolerância do Banco Central, com +3,4%, pelo segundo mês seguido.

Os números efetivos serão conhecidos às 9h e não devem ter forças para influenciar as apostas em relação à decisão de juros do BC na semana que vem. Porém, os sinais de acúmulo de pressão inflacionária esquentam o debate sobre os próximos passos na condução da Selic, que está dividido em meio às preocupações fiscais. Ainda por aqui, saem a confiança do consumidor (8h) e os dados do BC sobre o setor externo (9h30).

Já no exterior, serão conhecidos números preliminares de outubro sobre a atividade nos setores industrial e de serviços na zona do euro e nos EUA, ao longo da manhã.

Olivia Bulla

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Luiz Meca
Luiz Meca

Ótimo comentário. Parabéns   ... (Leia Mais)

23.10.2020 14:00 GMT· Responder
Rosa Carbone
Rosa Carbone

Mercado devia encerrar na quinta pq sexta ninguem merece  ... (Leia Mais)

23.10.2020 11:52 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.

';