Mercado Inicia Contagem Regressiva para as Eleições nos EUA

Mercado Inicia Contagem Regressiva para as Eleições nos EUA

Olivia Bulla  | 26.10.2020 08:45

A contagem regressiva para o dia da eleição nos Estados Unidos já começou e a semana que antecede a data deve ser intensa no mercado financeiro, ainda mais por aqui, onde a votação ocorre na volta do feriado na próxima segunda-feira. Até então, os investidores estavam fixados nas negociações entre republicanos e democratas sobre um novo pacote fiscal e também nos bastidores em Brasília. Agora, o radar se volta para a agenda.

E o calendário econômico dos últimos dias do mês está carregado. Em destaque, estão as decisões de juros dos bancos centrais do Brasil, na quarta-feira, e da zona do euro, no dia seguinte. Em ambos os casos, a estratégia de política monetária foi colocada à prova, com os riscos fiscais podendo levar o Copom a inverter o ciclo de cortes e o aumento de casos de covid-19 na Europa demandado estímulos adicionais do BCE.

Já nos EUA, a corrida presidencial deve manter o suspense até 3 de novembro. Apesar das pesquisas indicarem uma vitória do rival Joe Biden, é bom lembrar que nas eleições de 2016 o então candidato Donald Trump teve 3 milhões de votos a menos, mas derrotou a democrata Hillary Clinton entre os delegados. Mas se as sondagens estiverem certas, Trump será o primeiro presidente a não ser reeleito desde George Bush pai, em 1992.

Enquanto aguarda uma definição da disputa pela Casa Branca, Wall Street divide as atenções entre a safra de balanços norte-americana e dados atualizados sobre a economia dos EUA. O destaque fica com a primeira estimativa do Produto Interno Bruto (PIB) do país no terceiro trimestre deste ano, que deve saltar nada menos que 30%, praticamente revertendo as perdas do período anterior, de -31,4%, na taxa anualizada.

Balanço liberal

Entre os resultados financeiros, saem os números trimestrais das gigantes de tecnologia Facebook (NASDAQ:FB; SA:FBOK34), Apple (NASDAQ:AAPL; SA:AAPL34), Amazon.com (NASDAQ:AMZN; SA:AMZO34) - todos na quinta-feira. O setor vem despontando na pandemia, já que nove das 11 atividades de empresas listadas no S&P 500 estão apresentando queda anual no lucro, no pior desempenho desde o período pós-crise de 2008. As perdas são lideradas pelo segmento de energia, notadamente as petrolíferas.

No Brasil, a temporada também ganha força, trazendo os demonstrativos contábeis de pesos-pesados como Bradesco (SA:BBDC4), Petrobras (SA:PETR4) e Vale (SA:VALE3) - todos na quarta-feira. Mas é o clima político que deve continuar roubando a cena nos negócios locais. Afinal, apesar do recente marasmo em Brasília, as incertezas em torno do “teto dos gastos” e o Orçamento de 2021 seguem vivas, com a agenda de reformas devendo ter poucos avanços até o fim do ano.

Essa combinação de fatores externos e internos permitiu ao Ibovespa se segurar acima dos 100 mil pontos, garantindo a terceira valorização semanal consecutiva. Já o dólar orbitou ao redor da faixa de R$ 5,60, monitorando o comportamento dos juros futuros, que embutiram prêmios antecipando o início do processo de aperto da Selic, em meio aos sinais de acúmulo de pressão inflacionária e às dúvidas em relação ao rigor fiscal.

Enquanto isso, em um dos poucos países da América do Sul que não fazem fronteira com o Brasil, o Chile, tão reverenciado pelo ministro Paulo Guedes (Economia), enterrou ontem a Constituição de Pinochet, em um plebiscito histórico. Com alta participação popular, a maioria esmagadora dos chilenos pôs fim à última grande herança da ditadura. Na semana anterior, outro país latino, a Bolívia derrotou coligação de centro-direita.

Exterior no vermelho

À espera dos eventos dos próximos dias, os índices futuros das bolsas de Nova York e as principais bolsas europeias amanheceram com perdas aceleradas, já que um acordo de estímulo nos EUA permanece indefinido e as infecções por coronavírus no país bateram recorde. Na Europa, medidas mais duras de restrição foram adotadas, em uma tentativa de combater uma segunda onda de contágio de covid-19.

A Espanha decretou toque de recolher em várias regiões, enquanto na Itália, bares, restaurantes, cinemas e academias terão de fechar mais cedo. Já na Ásia, a sessão foi mista, com alta em Hong Kong, mas perdas em Tóquio e Xangai, com os investidores monitorando um importante plenário do Partido Comunista Chinês (PCCh), que deve traçar os planos para o desenvolvimento do país nos próximos anos.

Nos demais mercados, o dólar se fortalece, enquanto o juro projetado pelo título norte-americano de 10 anos (T-note) segue acima de 0,8% e o petróleo tem queda firme, com o barril do tipo WTI voltando a ser negociado abaixo de US$ 40.

Confira a seguir os principais destaques desta semana, dia a dia:

*Horários de Brasília

Segunda-feira: A semana começa com as tradicionais publicações do dia, a saber, o relatório de mercado Focus, do Banco Central (8h25), e os dados semanais da balança comercial (15h), mas a agenda doméstica também traz o índice de confiança do comércio em outubro (8h). No exterior, o calendário de indicadores econômicos mais fraco, trazendo apenas o índice regional de atividade em Chicago em setembro (9h30) e dados do setor imobiliário norte-americano (11h). Na China, tem início o encontro com membros do alto escalão do PCCh, com vistas à elaboração do 14º Plano Quinquenal, que entra em vigor no ano que vem e traça as metas até 2025. A reunião vai até o dia 29 (quinta-feira).

Terça-feira: A agenda econômica traz, no Brasil, dados sobre os custos e a confiança do setor da construção civil em outubro, além do balanço trimestral de Santander (SA:SANB11) e Cielo (SA:CIEL3). Já no exterior, destaque apenas para confiança do consumidor norte-americano também neste mês.

Quarta-feira: A decisão de juros do Copom é o grande destaque do dia, em meio à agenda esvaziada de indicadores econômicos, que traz apenas os dados semanais sobre o fluxo cambial no Brasil e sobre os estoques norte-americanos de petróleo bruto e derivados nos EUA. Na temporada doméstica de balanços, Bradesco, Vale e Embraer (SA:EMBR3) publicam seus resultados antes da abertura e Petrobras, após o fechamento.

Quinta-feira: Mais decisão de política monetária está em destaque. O BCE decide sobre a taxa de juros e a presidente da instituição, Christine Lagarde, concede entrevista coletiva. Antes, na virada para o dia, o BC do Japão (BoJ) também anuncia a decisão de juros. Entre os indicadores econômicos, merece atenção a primeira estimativa do PIB dos EUA no trimestre passado. Na safra de balanços, nos EUA, saem os resultados de Facebook, Apple, Amazon.com. Aqui, a temporada traz os demonstrativos contábeis de B2W (SA:BTOW3), Lojas Americanas (SA:LAME4) e Ambev (SA:ABEV3).

Sexta-feira: A semana chega ao fim com o calendário econômico repleto de destaques. No Brasil, saem dados atualizados sobre o mercado de trabalho até agosto, enquanto lá fora as atenções se dividem entre os números preliminares do PIB da zona do euro no terceiro trimestre e os dados sobre a renda pessoal e os gastos com consumo nos EUA em setembro. No fim do dia, a China informa a leitura prévia deste mês sobre a atividade nos setores industrial e de serviços.

Olivia Bulla

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.