Para Ganhar Com os IPOs Que se Avizinham

Para Ganhar Com os IPOs Que se Avizinham

Rodolfo Amstalden  | 11.11.2019 12:24

Todos estamos ansiosos por mais um ciclo de IPOs no Brasil, a exemplo das cem estreias durante os anos dourados de 2004 a 2007.

Em particular, a fase inicial do ciclo merece um carinho maior; dormir no ponto custa caro.

O início do ciclo dá vazão à fila represada de empresas boas, preparadas há algum tempo, e que estavam apenas aguardando o mercado reabrir.

Em 2004, algumas dessas foram Natura (SA:NATU3), CPFL (SA:CPFE3), Grendene (SA:GRND3), Porto Seguro (SA:PSSA3), Localiza (SA:RENT3), Energias do Brasil e Cosan (SA:CSAN3).

Já ao fim do ciclo, com a porteira escancarada, passa boi, passa boiada.

Em 2007, a galera aplaudiu os debutes de PDG (SA:PDGR3), Banco Pine (SA:PINE4), Sofisa (SA:SFSA4), Triunfo, General Shopping (SA:FIGS11), BicBanco, Tenda (SA:TEND3), Marisa, Agrenco…

Como intuímos que vem aí um novo ciclo, a partir de 2020?

Não sabemos, não há como prever ao certo. Mas podemos recorrer a alguns bons indicadores antecedentes.

Tipicamente, a Bolsa dá uma recuperada, convocando o abre-alas dos follow-ons, para logo depois despertar os IPOs.

Se é o caso, não restam dúvidas sobre o largo prenúncio contido nos mais de 30 follow-ons dos últimos meses, com operações para todos os gostos, de R$ 50 milhões a R$ 1 bilhão.

Aliás, follow-ons são também fontes de oportunidades?

Curioso como, simbolicamente, os IPOs representam o novo, enorme ganho a descobrir, enquanto follow-ons carregam a imagem menos excitante de um senhor necessitado passando o chapéu.

Na prática, porém, dinheiro não tem carimbo. Tudo depende do que vai ser feito com a grana do follow-on.

As maiores oportunidades de crescimento exponencial — lapidar o diamante bruto — talvez estejam de fato escondidas em alguns (raros) IPOs.

Em compensação, o dinheiro do follow-on tem mais chance de entrar no bolso de uma empresa madura, calejada, pronta para investir com a disciplina de segunda viagem.

Com os follow-ons, só tome cuidado para não se deixar seduzir pelo "endowment effect", pois tendemos a avaliar o que já é nosso sob um múltiplo daquilo que não possuímos, e odiamos a sensação de sermos diluídos.

Sujeito não vende o vinho que tem na adega por menos de mil reais, mas não compraria outro igual por mais de quinhentos.

Sujeito guarda para sempre a caneca maravilhosa que ganhou, mas não pagaria um real para adquirir uma caneca merda como aquela.

Por isso, quando aparece o direito na sua custódia, preço de subscrição abaixo do mercado, ótimo, costuma valer a pena, sim.

No entanto, pense também naquele follow-on como se fosse um IPO.

Direito não é dever de subscrição.

Deixemos a chuva limpar o sal de nossas lágrimas apimentadas.

Rodolfo Amstalden

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
roberto gonzalez
roberto gonzalez

Rodolfo, copiar de relatórios em que os assinantes pagar e colar aqui no Investing não é muito elegante. É como tratar de trouxas quem paga relatórios para casas de análise. Na próxima, faça algum esforço e escreva alguma informação nova!!!  ... (Leia Mais)

11.11.2019 17:38 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+