Seca no Brasil e Aumento da Demanda Impulsionam o Café no Mercado Internacional

Seca no Brasil e Aumento da Demanda Impulsionam o Café no Mercado Internacional

Investing.com  | 06.12.2019 10:27

Considerado por muitos como o “elixir da vida”, o café pode dar aquele empurrão que sua carteira de investimentos está precisando para terminar bem o ano de 2019.

O déficit de produção no Brasil e um forte movimento de preços fizeram com que o café arábica negociado em Nova York se valorizasse mais de 22% no ano, colocando-o no topo das commodities agrícolas, que incluem também o cacau, o açúcar e o suco de laranja.

O desempenho do arábica é o segundo melhor entre as commodities não energéticas em 2019, perdendo apenas para o níquel, que se valorizou quase 25% no ano.

Sem perspectiva de desaceleração com a chegada do fim do ano

E restando apenas três semanas para o fim do ano, sua força não mostra qualquer sinal de desaceleração.

Café Gráfico Semanal - Powered by TradingView

No pregão desta quinta-feira, o contrato futuro do café arábica com vencimento em março na ICE Futures dos EUA atingiu a máxima de 18 meses, a US$ 1,244 por lb, graças a três fatores: virada de mão dos fundos, suporte técnico e redução da safra no Brasil, principal país produtor do grão.

Os analistas que acompanham essa matéria-prima de bebidas e outros produtos de confeitaria acreditam que ela pode impulsionar as carteiras de commodities com baixo desempenho, se os investidores forem às compras antes do fim de 2019.

Déficit de produção e aumento na demanda explicam rali no arábica

Segundo Eric Scoles, estrategista de commodities da RJO Futures, em Chicago:

“O rali no arábica deve continuar, pois a dinâmica entre oferta e demanda não para de fazer esse mercado subir.”

“Diversos fundamentos altistas que estamos acompanhando estão aparecendo, como o déficit de produção e o aumento da demanda, dando suporte ao movimento, principalmente devido à restrição maior da oferta.

Mas nem sempre foi assim para o arábica. A última vez em que o produto disparou em um ano foi em 2014, quando registrou uma alta de quase 51%.

Desta vez, o desempenho do arábica se destaca por outra razão: no início do segundo trimestre, seus preços estavam derretendo. O mercado atingiu as mínimas de 14 anos e meio, a 86,35 centavos por lb em abril, depois de uma excelente safra de 2018/19 no Brasil.

Seca no Brasil prejudicou severamente a safra do arábica

Agora, as condições da safra 2019/20 no Brasil mudaram completamente, afirma a empresa Coex Coffee International, sediada em Miami e especializada na coleta de informações de inteligência nos mercados de café, como detalhes sobre controle de qualidade, logística e compras de grãos de fornecedores na América do Sul e do Norte, Europa, África e Ásia.

A Coex Coffee informou na quarta-feira que, devido à grave seca no Brasil, a atual safra de arábica no país será de aproximadamente 54-55 milhões de sacas, bem abaixo dos 58 milhões previstos pelo Departamento de Agricultura dos EUA.

De acordo com Mike Seery, diretor da consultoria de risco em commodities Seery Futures, de Plainfield, Illinois:

“São grandes as preocupações com a falta de chuvas nas regiões produtoras de café no Brasil. Já vi isso antes, e o mercado vai explodir para cima se a situação continuar assim."

“Mas, se isso acontecer, também é possível haver um grande aumento de volatilidade. Basta acompanhar o gráfico de 2014, último ano em que a commodity sofreu com uma grande seca.”

Estrutura gráfica diária do arábica também está melhorando

Seery afirma que ainda não entrou no arábica, mas o está monitorando de perto.

Ele complementou:

“Sem dúvida não recomendo qualquer tipo de posição contra essa tendência de alta.”

“A estrutura gráfica diária está começando a melhorar, e o risco financeiro de entrada também está diminuindo.”

A Perspectiva Técnica Diária do Investing.com para o arábica de março recomenda “Forte Compra”, projetando resistência a US$ 1,247. O pico de 18 meses na quinta-feira, a US$ 1,244, basicamente atingiu esse alvo, fazendo com que o arábica fosse negociado bem acima da média móvel de 200 dias, a 98,83 centavos.

Fundos viraram rapidamente a mão da venda para a compra

Mas o arábica já viu dias melhores do que os atuais. Seu preço mais alto nos últimos 15 anos foi de US$ 3,063, registrado em maio de 2011. E, em 2010, a commodity encerrou o ano com uma valorização de 77%.

Mas Scoles, da RJO Futures, afirma que o que o deixa entusiasmado com o arábica desta vez é a rápida virada de mão da venda para a compra.

Ele complementou:

“O rali de várias semanas tem sido intensamente alimentado pela cobertura de enormes posições de venda. Os traders dos fundos não só encerraram suas vendas, como viraram a mão para a compra, o que sugere que não se trata só de um rali, mas de um bull market por excelência.”

Investing.com

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Polski Português (Portugal) Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.