Agências de risco aprovam queda de dívida brasileira, mas aguardam PIB mais vigoroso

Agências de risco aprovam queda de dívida brasileira, mas aguardam PIB mais vigoroso

Reuters  | 13.02.2020 16:21

Agências de risco aprovam queda de dívida brasileira, mas aguardam PIB mais vigoroso

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - Em meio a indicações do governo de que a dívida bruta cairá em proporção ao PIB em 2020 pelo segundo ano consecutivo, as agências de classificação de risco têm reforçado que, para além de dados pontuais, querem ver a economia brasileira reagindo com mais força do que em seu cenário base, o que tem tardado a ocorrer.

Enquanto a Fitch prevê que o país crescerá 2,2% este ano, a S&P e a Moody's estimam um avanço de 2% --em todos os casos abaixo da perspectiva oficial do governo, de 2,4%.

"Nos últimos anos houve diminuição do déficit primário e nominal, mas ainda não ao ponto em que, no médio prazo, a dinâmica da dívida fica estável ou favorável", disse à Reuters a vice-presidente e analista sênior de ratings soberanos da Moody's, Samar Maziad.

"Isso é porque o crescimento ainda não se recuperou de forma forte o suficiente e porque o ajuste fiscal que é preciso para conter os gastos, essencialmente para fazer com que caibam nas receitas, ainda não foi completo", acrescentou.

Para Maziad, independentemente da política de pagamento antecipado de recursos do BNDES ao Tesouro --que tem ajudado a frear a dívida bruta sobre o PIB e que deve ser novamente empregada pelo governo neste ano-- os dois elementos que vão "realmente determinar a evolução da nota de crédito do Brasil" são um crescimento mais alto e a aprovação de reformas ligadas à diminuição do gasto no curto prazo.

Entram neste grupo as propostas de emenda à Constituição (PECs) Emergencial e do Pacto Federativo, que acionam medidas de ajuste nas despesas obrigatórias em situação de desequilíbrio fiscal.

Ambas tramitam em fase inicial no Senado e integram uma congestionada pauta econômica no Congresso, que conta, por exemplo, com reforma tributária, autonomia do Banco Central, promessa de uma reforma administrativa, mudanças em leis cambiais e de recuperação judicial.

"As reformas que vão permitir que o governo cumpra o teto nos próximos anos são uma prioridade (para melhoria do rating)", disse Maziad, argumentando que são elas que darão sustentabilidade à regra do teto de gastos, considerada um mecanismo crítico para manter a estabilidade e redução sustentável da dívida sobre o PIB.

Em 2019, a dívida bruta caiu pela primeira vez em seis anos, fechando o ano em 75,8% do PIB sobre 76,5% em 2018, movimento guiado pela venda de reservas do Banco Central e devolução de empréstimos do BNDES ao Tesouro.

Na quarta-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a dívida bruta recuará novamente este ano. À Reuters, o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, estimou ainda que o governo Jair Bolsonaro encerrará o mandato com a dívida em retração sobre o nível atual apenas considerando os recursos do BNDES que voltarão à conta da União.

Economistas ouvidos pelo Ministério da Economia, contudo, ainda projetam ligeira elevação do indicador a 76,20% do PIB em 2020 e 76,5% do PIB em 2021, conforme Prisma Fiscal divulgado nesta quinta-feira.

A analista principal do rating soberano brasileiro da S&P, Livia Honsel, avaliou que a diminuição da dívida bruta sobre o PIB em 2019 foi um sinal "encorajador", mas frisou que a metodologia da agência "segue tendências de dois a três anos em vez de só um resultado anual".

Para a nota de crédito do país subir um degrau, ela disse que a S&P aguarda um crescimento do PIB mais rápido que o projetado, uma redução também mais veloz do déficit fiscal nominal (que inclui o pagamento de juros da dívida), e uma estabilização da dinâmica de endividamento. Um fortalecimento do perfil externo é outro fator na mesa, pontuou Honsel.

Ao contrário da Moody's, que dá peso para a evolução da dívida bruta, a S&P analisa com metodologia própria a dívida líquida do governo geral como percentual do PIB e as despesas com juros do governo como percentual de suas receitas.

Em 2019, inclusive, a dívida líquida do governo geral medida pelo Banco Central subiu a 58,3% do PIB, sobre 55,6% em 2018. O gasto com juros, por sua vez, sofreu redução em função da queda da Selic.

Honsel destacou que este último fator contribuiu para a agência mudar a perspectiva do rating brasileiro para positiva no fim do ano passado, mas reforçou que um ajuste para cima na nota do Brasil demanda melhoria de um retrato mais amplo.

"(Endividamento) é só um fator entre outros e não é necessariamente suficiente para um upgrade. Estamos monitorando um conjunto de riscos", disse.

Nesta semana, a Fitch foi na mesma toada ao ressaltar que o resultado fiscal melhor que o esperado do país em 2019 foi parcialmente devido a fatores não recorrentes e a baixas taxas de juros.

"A queda do ano passado da dívida bruta sobre o PIB não altera nossa visão de que, na ausência de outras grandes receitas extraordinárias, pagamento antecipado de empréstimos pelo BNDES e vendas adicionais de reservas internacionais pelo BC, a tendência será de que a dívida aumente constantemente, embora de forma mais lenta, dados os contínuos déficits primários e uma frágil recuperação econômica", escreveu a diretora sênior e co-head de ratings soberanos das Américas da Fitch, Shelly Shetty.

Em evento recente em São Paulo, ela disse ainda que, em média, países com perfil parecido com o do Brasil demoram de dez a 11 anos para recuperar o grau de investimento.

Atualmente, a nota brasileira está três níveis abaixo do mínimo para grau de investimento pela S&P e pela Fitch e dois pela Moody's. As três agências cortaram o Brasil para território especulativo entre setembro de 2015 e fevereiro de 2016, em meio à forte deterioração das contas públicas.

VISÃO DO GOVERNO

O próprio secretário do Tesouro avaliou em entrevista à Reuters que, em função de dados estranhos da economia, com a indústria apresentando resultados dissonantes em relação aos demais setores, ainda não há clareza acerca da projeção econômica para o Brasil neste ano.

Mansueto disse esperar um upgrade da nota de crédito do Brasil ainda em 2020 caso a expansão da atividade econômica se firme por volta de 2,5%.

Já o caminho para a retomada do grau de investimento é mais árduo e depende, na visão do secretário, da concomitante obtenção de superávit primário. O governo conseguiu economizar para pagar juros da dívida pela última vez em 2013. Pelas contas atuais da equipe econômica, o país seguirá na trajetória de déficits primários até 2022.

Relacionadas

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Erick Kogikoski
Erick Kogikoski

Notícia boa governo Bolsonaro, MAS...  ... (Leia Mais)

14.02.2020 11:10 GMT· Responder
Daniel Martins
Daniel Martins

Agora o PT quer por a mao nas riquezas do Vaticano, abre o olho Papa porque os gafanhotos petralhas tao na area.  ... (Leia Mais)

14.02.2020 10:27 GMT· Responder
Economia Brasil
Economia Brasil

Grau de investimento não significa crescimento econômico! Políticas como essa de diminuição do tamanha BNDES aniquilam qualquer crescimento mais vigoroso. Sem contar com a restrição externa que se avizinha. Em uma situação como a Brasileira a politica monetária tem pouco efeito no produto. Aliás, pode ter um efeito muito negativo como por exemplo alimentar uma bolha no mercado acionário, como aparentemente está acorrendo.  ... (Leia Mais)

14.02.2020 09:52 GMT· Responder
Samuel Cunha
Samuel Cunha

Os comunistoides acham que o pais tem que sair do buraco que eles entregaram por 16 anos (no minimo) desde o primeiro dia do novo governo. Esquecem que alem do tempo existe uma porrada de reforma necessaria para colocar o pais em linha com as praticas exigidas pelo mercado. O capital, o dinheiro inteligente, nao vai onde existe risco e o Brasil durante todos esses anos so demonstra riscos imensos!  ... (Leia Mais)

14.02.2020 03:20 GMT· 3 · Responder
Rafael Segre
Rafael Segre

Mania ridícula do jornalista dar manchete assim: " aprovam queda de dívida brasileira, mas...". Tá ficando feio demais kkkk. Senta e chora filão!  ... (Leia Mais)

14.02.2020 00:48 GMT· Responder
Raí Lima
Raí Lima

Até maio alguma agência de classificação de risco aumenta o grau de investimento do Brasil.  ... (Leia Mais)

13.02.2020 23:31 GMT· Responder
Fabio Piloto
Fabio Piloto

Parte da queda da atividade industrial tem a ver com a exportação da recessão Argentina para o Brasil. Nosso PIB poderia estar 0,5 maior se a Argentina estivesse melhor.   ... (Leia Mais)

13.02.2020 22:04 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.

';