ETF do Bradesco estreia com menor taxa do mercado e deve incentivar novas reduções

ETF do Bradesco estreia com menor taxa do mercado e deve incentivar novas reduções

Arena do Pavini  | 27.06.2019 07:02

ETF do Bradesco estreia com menor taxa do mercado e deve incentivar novas reduções

Arena do Pavini - A Bradesco (SA:BBDC4) Asset Management, braço de gestão de recursos do segundo maior banco privado do país, lançou hoje seu fundo com cotas negociadas no mercado (Exchange Traded Fund, ou ETF). O BOVB11 é um fundo que aplica nos mesmos 66 papéis que formam o Índice Bovespa, principal referencial do mercado brasileiro, e suas cotas vão refletir o comportamento desse índice e poderão ser compradas e vendidas como ações. Assim, seu preço hoje é de R$ 100,883, mesmo número de pontos do índice, o que facilitará acompanhar o investimento. Mas o grande atrativo do novo ETF será a taxa de administração cobrada pelo fundo: 0,20%* ao ano, a menor do mercado.

Os outros três ETFs que seguem o Ibovespa cobram mais e a tendência é que a concorrência provoque uma queda na taxa desses fundos. Na semana passada, um primeiro movimento ocorreu com a BlackRock, que reduziu a taxa de seu ETF de Ibovespa, o BOVA11 (SA:BOVA11), o primeiro atrelado ao indexador, de 0,53% ao ano para 0,30%, igualando-a à do concorrente Itaú (SA:ITUB4), que já cobrava 0,30% ao ano. Já a Caixa Econômica Federal (CEF) cobra 0,50% em seu ETF de Ibovespa. Como esses fundos aplicam nos mesmos papéis, a taxa de administração passa a ser relevante e tende a ser comparada com muita atenção pelos grandes investidores, que usam os ETFs em suas estratégias.

O fundo do ETF do Bradesco captou R$ 750 milhões em sua oferta inicial e deve dobrar seu patrimônio até o fim do ano, afirma Ricardo Almeida, diretor-presidente da Bram. Segundo ele, a gestora deverá ainda este ano lançar novos ETFs. “Este é o primeiro e pretendemos lançar mais alguns até o fim do ano, focados em renda fixa”, diz Almeida. “Estamos estudando um ETF de renda fixa, ainda este ano, pois nossa ideia é dar opções de diversificação, mesmo com o juro mais baixo”, afirma. A ideia é ter um fundo com papéis do Tesouro de prazo mais longo, que garantam um prazo médio de dois anos para que o ETF tenha imposto de renda mais baixo, de 15%. “Como o imposto é calculado pelo prazo dos papéis da carteira, a opção deve ser por papéis do governo, mais longos, com correção pela inflação”.

Segundo Almeida, o ETF de Ibovespa complementa as opções da Bram para os clientes. “Estamos vendo uma tendência de diversificação nos últimos três anos, com nossos investimentos em ações e multimercados dobrando de tamanho”, diz. Ele destaca que a procura por renda variável deve continuar crescendo. “Há um movimento de saída de renda fixa e ao mesmo tempo um crescimento de aplicações em multimercados e fundos de ações”, diz. “Temos o maior multimercado quantitativo do mercado, com R$ 10 bilhões”, afirma. O número de investidores também aumentou, temos uma base maior, explica.

Já Marcelo Noronha, vice-presidente do Bradesco, destaca o papel dos ETF para os investidores institucionais. “É um mercado que tem tudo para crescer com o juro baixo”, afirma. Segundo ele, uma parte do varejo de alta renda também deve ser atendida pelo ETF.

Segundo Noronha, o banco trabalha com a aprovação da reforma da Previdência, o que abrirá espaço para a vinda dos investidores estrangeiros. “Depois de aprovada, vamos ver o valor que vai ser economizado e as outras medidas para o país crescer, e vamos então ver a entrada dos estrangeiros”, afirma. O executivo citou um grande investidor britânico, com mais de 250 bilhões de libras em investimentos globais e apenas 7 bilhões no Brasil. “Eles estão interessados, procuram informações, querem saber o que está acontecendo, mas só vão investir depois que houve um resultado concreto”, diz. E o ETF também poderá ser um veículo para esse investidor entrar no Brasil.

Hoje, os ETFs representam apenas 1% do mercado brasileiro de ações, para 10% no exterior, o que mostra que há um grande espaço para crescimento, diz Gilson Finkelsztein, presidente da B3. É uma tendência, com juro baixo no mundo e o Brasil entrando nessa fase de juro baixo, o ETF é um ativo que vem para ficar”, diz. O investimento em ações será cada vez mais importante e deve ganhar cada vez mais tração no Brasil, afirma. Ele diz que espera mais emissões de ETFs ainda este ano, também de renda fixa.

*corrige percentual da taxa, conforme informações da Bram.

Por Arena do Pavini

Relacionadas

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+