Ibovespa sobe apoiado em alívio na guerra comercial EUA-China

Ibovespa sobe apoiado em alívio na guerra comercial EUA-China

Reuters  | 13.08.2019 18:02

Ibovespa sobe apoiado em alívio na guerra comercial EUA-China

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista se recuperou parcialmente da queda da véspera, apoiada por notícias positivas sobre a disputa comercial entre Estados Unidos e China, em sessão também marcada por uma bateria de resultados corporativos domésticos.

O Ibovespa subiu 1,36%, a 103.299,47 pontos. O volume financeiro do pregão somou 18,2 bilhões de reais. O pregão desta terça-feira também foi marcado por ajuste antes do vencimento dos contratos de opções do Ibovespa e do índice futuro na quarta-feira.

O governo norte-americano prometeu adiar a aplicação de tarifas de 10% sobre alguns produtos chineses, incluindo laptops e celulares, prevista para entrar em vigor em setembro, o que animou os mercados acionários globais.

"Estamos fazendo isso para a temporada de Natal" para evitar qualquer impacto adverso sobre os compradores dos EUA, disse o presidente norte-americano, Donald Trump, a jornalistas.

Em paralelo, o Ministério do Comércio chinês disse que o vice-primeiro-ministro da China, Liu He, falou por telefone com autoridades comerciais dos Estados Unidos, e que novas negociações ocorrerão em duas semanas.

Em Wall Street, as bolsas firmaram alta após os comentários, com o S&P 500 avançando 1,47%.

"A divulgação do atraso da implementação das tarifas é na pratica uma demonstração de que há mais tempo para que EUA e China tentem chegar a um acordo comercial", destacou o estrategista Felipe Sichel, do modalmais.

Houve também uma trégua na bolsa argentina, após o tombo de 37% da véspera por apreensão com a cena eleitoral, com o índice Merval subindo 10% nesta terça-feira.

Segundo estrategistas do Bank of America Merrill Lynch, a América Latina já era a região emergente mais ameaçada pela escalada da guerra comercial EUA-China e queda do iuan para um mínimo de 11 anos antes da surpresa na Argentina.

"A América Latina aparece como a região mais vulnerável não apenas devido à alta exposição à China e aos preços das commodities, mas também porque as ferramentas disponíveis para implementar políticas monetárias anticíclicas são mais limitadas" disseram estrategistas do Merrill Lynch em nota.

Ainda no radar local, o relator da proposta da reforma tributária em comissão especial na Câmara dos Deputados, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), estimou que apresentará seu parecer em 8 de outubro, além do início dos trabalhos envolvendo a tramitação da reforma da Previdência no Senado.

DESTAQUES

- MAGAZINE LUIZA (SA:MGLU3) subiu 3,93%, após resultado trimestral com forte crescimento nas vendas, com destaque no comércio eletrônico. Executivos da empresa afirmaram que enxergam potencial para entrega de resultados mais fortes até o fim do ano, já que a base comparativa dos próximos meses não será tão desafiadora quanto no segundo trimestre. No setor, VIA VAREJO avançou 2,17% e B2W (SA:BTOW3) valorizou-se 2,73%.

- SUZANO (SA:SUZB3) avançou 5,87%. KLABIN subiu 3,3%. Analistas do Itaú BBA afirmaram que a perspectiva de curto prazo ainda é desafiadora para o setor de celulose, mas que as ações estão baratas.

- ECORODOVIAS (SA:ECOR3) avançou 4%, após assinar na véspera acordo de leniência de 400 milhões de reais com a força-tarefa Lava Jato do Ministério Público Federal no Paraná, valor que inclui multas, reduções de tarifas de pedágio e investimentos nos empreendimentos operados pela empresa.

- VALE (SA:VALE3) subiu 2,97%, acompanhando o movimento de mineradoras no exterior, em sessão ainda marcada por leve alta dos preços futuros do minério de ferro na China.

- COSAN (SA:CSAN3) cedeu 1,36%, mesmo após divulgar lucro líquido de 418 milhões de reais para o segundo trimestre, ante prejuízo de 64,3 milhões no mesmo período de 2018.

- ELETROBRAS PNB (SA:ELET6) caiu 0,3%, tendo no radar resultado trimestral com lucro líquido de 5,56 bilhões de reais no segundo trimestre, salto de 305% na comparação anual, influenciado pela venda da Amazonas Energia.

- ITAÚ UNIBANCO PN e BRADESCO PN (SA:BBDC4) subiram 1,96% e 1%, respectivamente. BANCO DO BRASIL (SA:BBAS3) fechou em alta de 1,2%.

- PETROBRAS PN (SA:PETR4) avançou 1,2%, apoiada na forte valorização dos preços do petróleo no exterior.

Relacionadas

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Victor Ribeiro
Victor Ribeiro

Aposto que Magalu chega a $60 até dezembro.  ... (Leia Mais)

14.08.2019 00:23 GMT· 1 · Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+